2 Photos: MENHIR / Anta do Mouratão, Castelo de Vide, Portugal

Click in the pictures, for open the photos or links 
 
MENHIR / Anta do Mouratão, Castelo de Vide, PortugalMENHIR / Anta do Mouratão, Castelo de Vide, Portugal

 


 

Located in a rural area and attached to the wall of one of the houses on Monte do Mouratão, this megalithic tomb monument was erected between the fourth and second millennium BC. W.
First excavated by the researcher of eight hundred, Francisco António Pereira da Costa (1809-1889), still in the late sixties, Anta do Mouratão, as it is more commonly known, has a regular polygonal plant chamber formed by seven of the primordial eight stalks granitic rocks, three of which are fractured.
The hat, still full, is inclined and supported, partly, in the wall of the housing that was attached to him in imprecise date.
All other elements that were to make up the entire dolmen were completed with stone masonry and lime mortar. In addition, a door has also been placed in the entrance area of ​​the chamber, with a view to its re-use for purposes other than the originals.
For this reason, too, the whole exterior of the monument was plastered and fell with a yellow baseboard, which eventually gave it a somewhat rounded form.
From the primitive mamoa - or tumulus - and from the corridor no traces have been found to date. [AMartins]
 
 
Localizado numa zona rural e adossado à parede de uma das casas existentes no Monte do Mouratão, este monumento sepulcral megalítico terá sido erguido entre o quarto e o segundo milénio a. C.

Primeiramente escavado pelo investigador de oitocentos, Francisco António Pereira da Costa (1809-1889), ainda em finais da década de sessenta, a Anta do Mouratão, como é mais vulgarmente conhecida, possui câmara de planta poligonal regular formada por sete dos primordiais oito esteios graníticos, três dos quais encontram-se fracturados. O chapéu, ainda inteiro, apresenta-se inclinado e apoiado, em parte, na parede da habitação que lhe foi anexado em data imprecisa.

Todos os restantes elementos que deveriam perfazer a totalidade do dólmen foram completados com alvenaria de pedra e argamassa de cal. Além disso, foi ainda colocada uma porta na zona da entrada da câmara, com vista à sua reutilização para outros fins, que não os originais. Também por isso, rebocou-se e caiou-se com rodapé amarelo todo o exterior do monumento, que acabou por conceder-lhe uma forma algo arredondada.

Da primitiva mamoa - ou tumulus - e do corredor não foram encontrados quaisquer vestígios até à data. [AMartins]